Notícias

Fique por dentro do que acontece na sua Caixa

CAAB rescinde contrato com empresa de eventos Mindpsi

Compartilhe

bb613a5f-e2f9-4f6b-a7ab-0e9464a5ff3f
A Caixa de Assistência dos Advogados do Estado da Bahia (CAA-BA), órgão da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Bahia, após ter sua marca veiculada em matéria jornalística sobre a prisão do promotor de eventos Jamilton Vasconcelos, acusado de estelionato por ter cobrado inscrições para um congresso internacional que deveria ser realizado em Salvador no último final de semana, já acionou o seu departamento jurídico para notificar e rescindir o contrato de parceria com a Mindpsi Eventos, Educação e Cultura, da qual o acusado é sócio.
Firmado na gestão anterior da CAAB, em 13 de novembro de 2015, o contrato prevê que a Mindpsi deveria oferecer benefícios aos advogados e seus dependentes por meio de descontos na inscrição de cursos, palestras ou seminários. Foi com esse objetivo que a Caixa de Assistência sinalizou com a possibilidade de permitir a inclusão de sua marca nos cartazes de divulgação do ‘I Congresso Científico Internacional sobre violência doméstica: o Machismo que mata’, o qual acabou não ocorrendo e resultando na prisão do referido produtor.
Em comunicação através de e-mails, a CAAB deixou claro ao senhor Jamilton Vanconcelos que era necessário fazer alguns ajustes, condicionando isso à liberação para uso da marca. Como o sócio da Mindpsi não seguiu as recomendações da CAAB, ficou evidente que o uso não estava autorizado. O não cumprimento, por si só, já é motivo suficiente para a rescisão do contrato, como forma de evitar dano maior no futuro à Caixa de Assistência.
Apesar de não ter responsabilidade alguma pela realização do evento, a CAAB sente-se prejudicada, uma vez que sua marca foi veiculada de forma equivocada e negativa pela mídia, que divulgou fotos do perfil do produtor Jamilton Vasconcelos, em uma rede social, na qual ele pousava com a marca da Caixa de Assistência.
Por entender que a ação da Mindpsi a induziu a ofertar aos advogados um produto que se mostrou de qualidade altamente duvidosa, além de provocar dano à imagem da Instituição, a diretoria da CAAB optou pelo fim do contrato de parceria.